Saúde / Notícia

Arritmia cardíaca já matou 62 paraibanos este ano. Ação em CG dá dicas de como se prevenir

person access_timePostado em 12/11/2018 10:00 chat_bubble_outline

Foto: Reprodução/internet

Na Paraíba, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), até outubro, 27 pessoas tiveram morte súbita e 35 pessoas faleceram após sintomas de arritmia cardíaca. Para orientar a população e prevenir novos casos, será realizada, nesta segunda-feira, na Praça da Bandeira, Centro de Campina Grande, uma ação em comemoração ao Dia Nacional de Prevenção das Arritmias Cardíacas e Morte Súbita, que faz parte Campanha Coração na Batida Certa, promovida há 11 anos pela Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac). 

Na ação serão oferecidas palestras com orientações sobre arritmias cardíacas, Fibrilação Atrial e treinamentos, com ajuda de boneco, de manobras de RCP (Ressuscitação Cardiopulmonar), além de aferição de pressão arterial, ensino da medição de pulso e realização de exames preventivos. Tudo acontecerá das 8h até o meio-dia, contando com a participação de diversos especialistas. 

De acordo com Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) da Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba, o número de mortes decorrentes de problemas cardíacos vem caindo no Estado nos últimos cinco anos. Campina Grande vinha tendo o maior número de ocorrências, mas foi ultrapassada pela Capital este ano. O que é. Segundo a Sobrac, arritmia cardíaca é a alteração que ocorre na geração ou na condução do estímulo elétrico do coração e pode provocar modificações do ritmo cardíaco. As arritmias podem ser benignas e malignas e os indivíduos diagnosticados com taquicardia, bradicardia ou que já apresentam problemas cardíacos, como infarto e insuficiência cardíaca, estão no grupo de maior risco. 



Quando não diagnosticada e tratada corretamente, a arritmia cardíaca pode provocar parada cardíaca e morte súbita, que ocorre de forma instantânea, inesperada, causada pela perda da função do músculo cardíaco. Qualquer pessoa pode ser diagnosticada com arritmia cardíaca, independentemente da idade, sexo ou condição socioeconômica. 

Redação


Comentários