Política / Ingratidão?

Hervázio rebate Ricardo e diz que ex-governador faz provocações para “sair como vítima”

Para Hervázio, esta é uma briga totalmente desnecessária. Ele classifica o fato como “um processo muito complicado, muito doloroso, que machuca todos nós”
person access_timePostado em 12/09/2019 12:35 Atualizado em 12/09/2019 18:16 chat_bubble_outline

Hervázio ainda declarou que tem a “consciência absolutamente tranquila” (Foto: Walla Santos)

Depois de ser taxado como ingrato pelo ex-governador Ricardo Coutinho, Hervázio comentou que “ele quer nos provocar para sair como vítima”. Em entrevista ao ClickPB nesta quinta-feira (12), Hervázio considera que o episódio de crise interna do diretório estadual do PSB como triste e lamentável.

Hervázio ainda declarou que tem a “consciência absolutamente tranquila”. “Eu não tenho a consciência pesada porque não traí ninguém, não provoquei rompimento, não contribuí com racha e votei no candidato que Ricardo apontou”, relatou o atual secretário da Juventude, Esporte e Lazer do Estado da Paraíba.

Além disso, Hervázio confirmou que “lhe devo muitos favores. Agora, eu não posso pegar toda uma vida pública e entrar num processo esdrúxulo e altamente complicado”. Em entrevista, o ex-governador Ricardo Coutinho lamentou as posturas adotadas por integrantes do PSB contrários à sua posição de presidente da legenda na Paraíba. Ricardo declarou que “a ingratidão infelizmente é um sentimento meio que permanente no exercício da história da humanidade”.



Mesmo assumindo que deve favores ao ex-governador, Hervázio ainda afirma que “eu dei a minha contribuição também. Renunciei ao mandato, me doei de corpo e alma nas eleições do Governo”.

Do ponto de vista de Hervázio, o ex-governador Ricardo Coutinho não teria encontrado nenhuma resistência caso demonstrasse a vontade de assumir a presidência do PSB no Estado. “Ricardo teria o apoio de cada um de nós para ser o que ele quisesse dentro do partido, partido que ele nunca deixou de comandar. O presidente de fato era Ricardo porque tudo o que Edvaldo fazia era combinado com ele”, revelou.

Para Hervázio, esta é uma briga totalmente desnecessária. Ele classifica o fato como “um processo muito complicado, muito doloroso, que machuca todos nós”. No entanto, reforça que já demonstrou o seu posicionamento ao assinar carta emitida pelo governador João Azevêdo, negando aceitar a instituição da comissão provisória determinada pela executiva nacional do PSB.


Comentários