Política / Paraíba

Famílias perdem poder na Paraíba; por Heron Cid

Cena de Velho Chico, novela da TV Globo que trouxe temática do poder das famílias na política do Nordeste
person access_timePostado em 26/11/2018 12:22 chat_bubble_outline

Foto: Reprodução/internet

Uma olhada rápida pelo mapa eleitoral de 2018 e uma constatação: o histórico poder familiar na política ainda representa muito na realidade paraibana, mas aos poucos grupos tradicionais vão perdendo espaço.

O clã Maranhão, originário de Araruna e cujo auge do poder se deu com o hoje senador José Maranhão no Palácio da Redenção, perdeu força quando as urnas de outubro se fecharam logo no primeiro turno na Paraíba.

Se já havia perdido o controle da terra natal pela derrota contra Vital Costa, a família saiu do pleito sem representante na Assembleia e Câmara. Só Maranhão, com sua liderança pessoal, preserva o mandato.



A família Cunha Lima também perdeu vitamina. O senador Cássio, uma força política com trinta anos de carreira, vai passar, pela primeira vez, na sua longa trajetória, por um período sem mandato. Coube ao jovem Pedro Cunha Lima, de muitos méritos pessoais, manter um sobrenome com broche na lapela.

O agrupamento Gadelha, de Sousa, experimentará, depois de muito tempo, um hiato político. Nenhum dos integrantes do longevo grupo terá um mandato para chamar de seus nos próximos anos. Renato Gadelha e Leonardo Gadelha sobraram na curva, dois anos depois de o primo, André Gadelha, não se reeleger prefeito na base principal.

Só pra ficar em alguns exemplos.

Queira ou não, esse quadro é reflexo da ascensão e consolidação da força política e influência estadual do atual governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, um quadro formado na militância social e, portanto, ponto fora da curva.

Paradoxalmente, Coutinho não veio de família tradicional e nem se fez pelo parentesco, ele chegou ao triunfo estadual pelas mãos e e apoio de muitas delas. Mas no exercício do poder, ao seu modo, trabalhou, implícita e explicitamente, para desidratá-las. E conseguiu.


Comentários