Policial / OPERAÇÃO CALVÁRIO

PF encontra celular enterrado em vaso de planta e suspeito disse que estava rezando

person access_timePostado em 28/10/2020 10:14 chat_bubble_outline

Um fato pra lá de curioso foi registrado na nona fase da operação Calvário. Durante a realização das ações de busca e apreensão, determinadas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), nesta terça-feira (27), foi encontrado um celular enterrado em um vaso de planta. O flagrante ocorreu na casa de ex-assessores do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Arthur Cunha Lima. São eles Sérgio Ricardo de Ribeiro Gama e seu filho, Sérgio Ricardo de Ribeiro Gama Filho, ambos investigados.

A cena, testemunhada por agentes da Polícia Federal e procuradores do Ministério Público Federal, provocou uma justificativa ainda mais inusitada — o alvo do mandado judicial afirmou que estava rezando perto do local. A TV Globo teve acesso às imagens do flagrante. A imagem mostra o momento em que os investigadores começam a vasculhar a planta. Na sequência, Gama Filho questiona se pode pegar. Ele é autorizado, mostra onde estava o celular e diz que não iria negar.

Os agentes perguntam se há outras coisas escondidas. Ele diz que não e justifica, dizendo que estava rezando no local. De acordo com as investigações, Sergio Ricardo Ribeiro Gama e Sergio Ricardo Ribeiro Gama Filho ocuparam o cargo de chefe de gabinete de Arthur Cunha Lima no Tribunal de Contas da Paraíba. Os investigadores dizem ter reunido elementos que apontam movimentações financeiras entre os investigados, o conselheiro e o filho dele, Arthur Cunha Lima Filho.



Na etapa desta terça-feira, a PF e o MPF buscavam provas de crimes de lavagem de dinheiro que teriam sido praticados pelo conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba Arthur Paredes Cunha Lima e por pessoas ligadas a uma das organizações sociais que teriam recebido propina de fornecedores.

Blog do Suetoni


Comentários

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal MídiaPB - Você sempre informado, não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.