Policial / Paraíba

Condenado a quase 250 anos de prisão por tráfico internacional e interestadual de drogas é preso na PB

Homem faz parte de uma organização criminosa com atuação nos estados do Ceará e São Paulo, com ligação no Paraguai, segundo informações da PRF
person access_timePostado em 19/08/2021 18:57 chat_bubble_outline

PRF-PB durante ação que prendeu condenado a 249 anos de prisão por tráfico internacional e interestadual — Foto: PRF-PB/Divulgação

Um homem, de 31 anos, com condenações que somam 249 anos de prisão pelos crimes de tráfico interestadual e internacional de drogas, foi preso na tarde desta quinta-feira (19), em João Pessoa.

Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF) da Paraíba, o homem faz parte de uma organização criminosa com atuação nos estados do Ceará e São Paulo, com ligação no Paraguai.

O homem, que era considerado foragido da Justiça, estava em um carro com outra pessoa quando foi abordado por policiais rodoviários federais, na altura do quilômetro 88 da BR-101, na capital paraibana.



A equipe solicitou a identificação aos homens e percebeu que o passageiro apresentou um documento com informações falsas. Por isso, os policiais entraram em contato com a PRF do Ceará e com a Força-tarefa de Combate ao Crime Organizado do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).

Por meio desse contato, foi constatado que o homem era procurado por fazer parte de uma organização criminosa que atua no tráfico interestadual e internacional de drogas.

A Justiça Federal e o Governo do Estado do Ceará estavam tentando capturar o foragido desde abril de 2021, quando ele fugiu da Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto, no município de Itaitinga.

Ao ser reconhecido, o homem preferiu ficar em silêncio. Nenhum tipo de material ilícito foi encontrado com ele.

Além do mandado de prisão por tráfico de drogas, ele responderá por uso de documento falso. O homem foi preso e encaminhado para a delegacia da Polícia Federal.

A ligação entre a pessoa que dirigia o carro com o preso também será investigada.


Comentários