Brasil / Brasil

'Se dermos R$ 5 mil por mês, ninguém trabalha', diz Bolsonaro

Governo federal é pressionado a manter auxílio emergencial, pago em 2020 a pessoas que ficaram sem trabalho na pandemia
person access_timePostado em 07/01/2021 19:51 chat_bubble_outline

REPRODUÇÃO/YOUTUBE 05.01.2021

Pressionado a retomar o pagamento do auxílio emergencial, o presidente da República, Jair Bolsonaro, sinalizou nesta quinta-feira (7) a apoiadores que o governo federal não poderá continuar com o benefício. Após o fim do socorro social, parlamentares pressionam a União a lançar uma nova rodada em 2021 ou turbinar o Bolsa Família, previsto em R$ 34,9 bilhões.

Na quarta-feira (6), o candidato à presidência da Câmara Baleia Rossi (MDB-SP) defendeu a volta do auxílio emergencial ou um Bolsa Família maior. Baleia enfrenta o deputado Arthur Lira (PP-AL), apoiado pelo Palácio do Planalto na disputa. Nesta quinta, o candidato avulso à presidência da Câmara Fábio Ramalho (MDB-MG) também defendeu, em entrevista ao Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a retomada do pagamento do auxílio. O Congresso Nacional ainda não votou o Orçamento de 2021.

Em conversa com simpatizantes, um dos apoiadores disse a Bolsonaro que o chefe do Planalto recebeu muito apoio no interior do Amazonas após o pagamento do auxílio. O presidente, no entanto, evitou se comprometer com um benefício em 2021 e ironizou a situação afirmando que, se pagar R$ 5 mil por mês para a população, ninguém mais vai trabalhar.



"Qual país do mundo fez auxílio emergencial? Parecido foi nos Estados Unidos. Aqui, alguns querem torná-lo definitivo. Foram quase 68 milhões de pessoas. No começo, foram R$ 600. Vamos pagar para todo mundo R$ 5 mil por mês, ninguém trabalha mais, fica em casa."

Durante a pandemia de covid-19, o pagamento do auxílio emergencial reduziu momentaneamente os índices de pobreza e desigualdade. A situação, porém, pode levar o país de volta ao patamar da década de 1980 nesses índices, conforme o Broadcast Político mostrou. 

O auxílio emergencial foi pago para que trabalhadores informais e desempregados pudessem adotar o isolamento social e evitar a doença, medida criticada por Bolsonaro.

Na quarta, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), anunciou o fechamento de atividades na capital e a manutenção apenas de serviços essenciais a partir da semana que vem. Bolsonaro não citou diretamente nenhum prefeito ou governador, mas criticou a possibilidade de novas decisões como essa.

"Se começar a fechar tudo de novo, vai quebrar o Brasil. O Brasil vai se empobrecer. Um país pobre, de famintos, a gente não sabe o que vai acontecer", afirmou o presidente.

Mais uma vez, ele declarou que o País está "quebrado" por conta da crise no setor público, inclusive nos municípios.

 


Comentários

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal MídiaPB - Você sempre informado, não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2021 se encerrarem.