Brasil / Notícia

Jogador morre em acidente no Distrito Federal

Jogador de 38 anos perdeu o controle do carro e capotou na BR-020 em Planaltina; um motociclista de 27 anos também morreu no acidente
person access_timePostado em 15/10/2019 12:31 chat_bubble_outline

Agenor morreu após perder o controle do carro e capotar — Foto: CBMDF/Divulgação

O ex-jogador de Atlético-GO e Vila Nova, Agenor, de 38 anos, morreu na noite de segunda-feira após se envolver em um acidente grave na ponte do córrego Mestre D’armas na BR-020, em Planaltina-DF.

Segundo o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, que atendeu a ocorrência, o volante perdeu o controle do carro em que estava sozinho e capotou. Ele foi encontrado fora do veículo, já sem os sinais vitais.Um motociclista de 27 anos também se envolveu no acidente e acabou não resistindo aos ferimentos.

Agenor teve uma longa passagem pelo Dragão, o volante atuou por três temporadas na equipe rubro-negra. O jogador fazia parte do elenco que conquistou o primeiro acesso do Atético-GO à Série A do Campeonato Brasileiro em 2009. Ele também disputou as duas temporadas do time na primeira divisão, nos anos de 2010 e 2011.



Em 2014, o jogador também teve uma passagem pelo Vila Nova. Além dos dois times goianos, Agenor também tem passagens por Brasiliense, Paraná, Ponte Preta e América-MG. Atualmente, o volante atuava pelo Planaltina, time que disputa a segunda divisão do Campeonato Brasiliense. 

O Atlético Clube Goianiense lamenta profundamente o falecimento do volante Agenor (38 anos). O clube se solidariza com os amigos e familiares do atleta e declara luto oficial pelo jogador que honrou a camisa do Rubro-Negro por três temporadas. O momento é de consternação.

View image on Twitter
Atlético Goianiense
 
@ACGOficial
 

Agenor fez parte do elenco atleticano bicampeão goiano em 2010 e 2011, onde, inclusive, marcou gol na final do estadual de 2010, contra o Santa Helena. Também participou do histórico time que alcançou o tão sonhado acesso à Série A, em 2009.

View image on Twitter
 

Por Rodrigo Castro e Marcelo Cardoso — Goiânia 


Comentários