Brasil / Brasil

Às vésperas de tramitação de denúncia, Aguinaldo se reúne com Temer

person access_timePostado em 24/09/2017 21:34 chat_bubble_outline

Reprodução / internet

COMPARTILHAR

O presidente Michel Temer recebe neste domingo (24) ministros e aliados no Palácio do Jaburu. A assessoria da Presidência não informou a pauta do encontro, mas um dos temas deve ser a estratégia para enfrentar na Câmara dos Deputados a segunda denúncia contra o presidente apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR).

Os ministros Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Osmar Terra (Desenvolvimento Social), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral), os dois últimos denunciados pela PGR junto com Temer, estão no Jaburu.

Também participam o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB), o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), o vice-líder do governo, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) e o líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE).

Esteve presente ainda o deputado Pauderney Avelino (DEM-AM), que saiu por volta das 18h10 sem falar com os jornalistas.

O grupo vai aproveitar a oportunidade para felicitar pessoalmente Temer pelos 77 anos, completados no sábado (23).

O presidente comemorou o aniversário em família em dois atos, um em São Paulo e outro em Brasília. Na capital paulista, esteve com filhas e netos. Ele retornou a Brasília à tarde e passou o restante do dia com a primeira-dama, Marcela, e o filho caçula, Michelzinho. Parlamentares e amigos telefonaram o longo do dia para dar os parabéns.

Temer também deve aproveitar a reunião deste domingo para discutir a pauta da semana no Congresso.

Segundo denúncia

O ex-procurador-geral Rodrigo Janot acusou Temer de liderar um grupo de integrantes do PMDB que cometeu uma série crimes em órgãos públicos. O presidente foi denunciado por obstrução de Justiça e organização criminosa.

Para que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise a acusação feita por Janot é necessário o aval da Câmara. Na primeira denúncia, a maioria dos deputados decidiu que o caso ficará parado até o final do mandato de Temer, em 31 de dezembro de 2018.

Nos bastidores, conforme relatos ouvidos pelo G1 de auxiliares de Temer, o Palácio do Planalto demonstra confiança em uma nova vitória. O estafe do presidente considera factível congelar a denúncia no plenário em meados de outubro. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já estimou que é possível votar o caso no próximo mês.

No cronograma ideal do Planalto, a votação da denúncia em plenário ocorreria entre os dias 10 e 11 de outubro, véspera do feriado do dia 12, liberando as articulações para a reforma da Previdência. Aliados, contudo, consideram o prazo apertado e projetam a votação para depois do feriado de Nossa Senhora Aparecida.

Tramitação

A expectativa do governo é de que a denúncia seja lida no plenário da Câmara nesta segunda (25). Concluída a leitura, Temer será notificado e terá até 10 sessões de plenário para apresentar a defesa na CCJ.

O discurso corrente no Planalto diz que Temer não usará todo o prazo, com a possibilidade de entregar a defesa até o final da semana. O governo monitora a escolha do relator do caso, que será feita pelo presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG). Aliados de Temer projetam um nome da base do governo para a função.

Depois de negociar um intenso troca-troca de deputados na CCJ na primeira denúncia, o governo acredita que aprovará sem dificuldades outro parecer contrário à acusação da PGR na comissão. Na oportunidade anterior, o relatório do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) foi aprovado 41 votos a 24 na CCJ. A ideia é, ao menos, repetir o placar no colegiado.

Fonte: G1

Comentários