Araruna / Poema

Araruna das Memórias; por professor Edvaldo dos Santos

person access_timePostado em 19/01/2020 23:47 chat_bubble_outline

Araruna das Memórias

 

As ruas e avenidas da minha amada Araruna



o feijão ficava a secar espalhados pelas ruas

todos se reuniam para ajudar, na labuta

bater o feijão era símbolo de união

pois era catado até o ultimo grão

e as palhas não sobrava também não.

 

As crianças saltavam e pulavam era muita energia.

Nas palhas todos queriam ter um momento de alegria, 

assim ficavam nas palhas pulando dando 

salto e gritando era um momento de nostalgia.

 

As ruas fechadas poucos carros se viam

eram mais bicicletas que por lá seguiam

mas sempre tinha um carro que vinha

todos corriam e um caminho logo se fazia

o feijão de um lado para outro logo se ia

e o carro que vinha sua viagem fazia.

 

Confusão não se via era tudo paz e alegria

a cidade dormia não precisava nem de Vigia

nem portas batiam, pois necessidade não havia

ladrão nem existia, nem mesmo de galinha.

 

 As castanholas muitas tinham, quando chovia todas caiam

tudo era bom e farto até besouros tinham de fato

era tudo bom e barato na mercearia de seu Basto.

 

Kermi de tudo tinha, era solda e balinha tinha 

até sardinha e todos se serviam

seu Emídio nem se falava, pois Dona Nevinha 

quem mandava enquanto ele sua viagem seguia

 

Dona Nevinha ainda vendia mortandela e sardinha 

da “pior sem ela”, era quem melhor tinha.

 

Sem falar em seu Avaristo homem bom e conhecido 

que sua altura era merecido

grande homem e distinto por tudo que fazia

sempre que dava ou fazia nuca dizia que você não merecia.

 

Era muita fartura nessa terra querida, tudo que queria se tinha, 

pois até jaca nós trazia do sítio de seu Lulinha.

 

Todo lugar tinha uma bola para jogar na rua ou na pracinha, 

ninguém ficava sem jogar, pois todos podiam 

brincar porque briga não tinha.

 

A noite só se ouvia as mães chamar 

“chegue menino isso não é mais hora de brincar”

Era polícia e ladrão, pega ajuda, 31 alerta, 

cuscuz só brincadeira decente 

quem fosse macho que se aguente, 

na famosa peinha quente.

 

                            Araruna/PB, 17 de Julho de 2019

 

                                                 Edvaldo dos Santos

Acesse: Professor Edvaldo dos Santos 


Comentários